domingo, 20 de dezembro de 2015

Vésperas

Apunhalado deus é por mim
com a mão enferrujada
brindando a esperança quando tudo
é desespero

deleites nas manhãs 
sob as palavras do livro velho

É meu cinza que sobretudo alcança notoriedade mais
do que a puta virgem

Dei-me o mar para afogar as benfeitorias expostas

Dei-me mais a montanha com a corda em riste pronto para pular e poder ver o paraíso

oração é o primeiro gole
pecado é olhar a chance de acertar

Ponha-me em manjedouras de cada sarjeta

Rogue

Acabemos

Prego eterno